Os 11 erros mais comuns

Toda língua tem seus tropeços. Para brasileiros, o que pega no inglês?

1. Quem tem é sujeito

Tem um livro na mesa.
Have a book on the table.

Este é um erro comum para quem está começando. Em português usamos o verbo "haver" como sinônimo de "existir". Ao invés de dizer que "há um livro na mesa", dizemos "tem um livro na mesa", o que traduzido para o inglês sem escalas se torna "have a book on the table". Mas neste caso, no inglês usamos a construção "there is" para um só objeto, ou "there are", caso haja mais de um objeto.

WHY?

O problema é que o verbo "ter" somente é traduzido como "to have" quando há um sujeito, quando alguém tem alguma coisa. Mas quando usamos "ter" como sinônimo de "existir", ele é impessoal. Ou seja, ele não tem sujeito e é sempre conjugado na terceira pessoa do singular. Portanto não pode ser traduzido como "to have". 

Tem um livro na mesa.
There is a book on the table.
Tem dois livros na mesa.
There are two books on the table.
 
2. Cadê o sujeito que estava aqui?
Adoro macarrão.
Love pasta.

Observe a seguinte lista:

Eu gosto

Você gosta

Nós gostamos

Vocês gostam

Eles gostam

Agora o mesmo em inglês:

I like

You like

We like

You like

They like

Em português, se tirarmos o sujeito da frase o verbo continua fazendo sentido, pois cada sujeito tem o seu verbo ("gosto" só pode ser eu, "gostam" só pode ser eles, e assim por diante). Em inglês, porém, nunca podemos omitir o sujeito da frase, simplesmente porque sem o sujeito, a frase fica ambígua (quem"like"? Eu, nós, vocês, você?). Portanto, se em português o sujeito for omitido, não esqueça de evidenciá-lo na frase em inglês.

WHY?

A conjugação verbal do português é muito específica quanto a cada um dos sujeitos, o que permite que em uma frase haja omissão do mesmo sem que o verbo perca sentido. Em inglês, a conjugação verbal é muito mais padronizada entre sujeitos, e portanto para a frase fazer sentido, o sujeito nunca pode ser omitido.

Adoro macarrão.
I love pasta.
 

3. Cadê o objeto que estava aqui?

Vimos um filme. Eu gostei.
We saw a movie. I liked.

Assim como não podemos omitir o sujeito em inglês, também não podemos omitir os objetos das frases.

O QUE SÃO MESMO OS OBJETOS?

Um objeto é uma palavra que sofre a ação do verbo na frase. Por exemplo, você sempre gosta de alguma coisa. Isto é um objeto.

 

Eles podem ser classificados entre objeto direto (não precisa de preposição) e objeto indireto (precisa de preposição). Por exemplo, você também sempre dá algo (objeto direto) para alguém (objeto indireto).

Em português é muito comum omitir o objeto quando ele já foi mencionado na frase anterior. Porém em inglês é sempre necessário mencioná-lo. O mais comum é usar o pronome "it" para não ficar repetindo a mesma palavra.

Vimos um filme, eu gostei.
We saw a movie, I liked it.
 

4. Advérbio, pra que te quero

Eu comi muito rápido.
I ate very quick.

Usar advérbios é muito difícil para nós, brasileiros, simplesmente porque em português costumamos evitá-los. 

ADVÉRBIOS?

Os adjetivos a gente geralmente conhece em português: bonito, feio, grande, pequeno, velho, novo... Todas as palavras que caracterizam um substantivo, ou seja, uma coisa (seja ela um objeto, uma sensação, uma pessoa, um fenômeno da natureza, etc).

A questão é que, quando falamos de verbos, não podemos usar adjetivos. Devemos usar advérbios (daí o nome). E em português, na maior parte dos casos basta complementar o adjetivo feminino com o sufixo "-mente": linda, lindamente, rápida, rapidamente, incorreta, incorretamente, louca, loucamente, etc. Mas porque os advérbios geralmente são muito longos, acabamos usando adjetivos - erroneamente.

Observe a diferença:

Ele é um menino rápido.

Ele corre rapidamente.

Na primeira frase, "rápido" é um adjetivo que se refere ao substantivo "menino".

Na segunda frase, "rapidamente" é um advérbio que se refere ao verbo "corre".

Em inglês, sim, eles usam advérbios corretamente. E como no português, na maior parte dos casos é muito simples fazer o advérbio a partir do adjetivo. Basta usar o sufixo "-ly".

Beautiful - Beautifully

Quick - Quickly

Effective - Effectively

Smart - Smartly

Mad - Madly

Strange - Strangely

Bad - Badly

Se o adjetivo terminar em "y" e tiver mais de uma sílaba, troque por "i":

Crazy - Crazily

MAS

Shy - shyly

Good - Well

Fast - Fast

Eu comi muito rapidamente.
I ate very quickly.
 

5. Quão velho é você?

Eu tenho 40 anos.
I have 40 years.

Em português dizemos que a gente "tem" uma idade. Mas em inglês, dizemos que somos velhos x anos. E isso confunde muito os brasileiros.

HOW OLD ARE YOU?

A pergunta em inglês, literalmente, é "quão velho/velha é você?". Então a resposta precisa ser: "Eu sou x anos velho/velha".

- How old are you?

- I am 35 years old.

Usamos portanto o verbo ser/estar (to be), e não o verbo ter (to have). Afinal, dizer que "eu tenho x anos velho" seria bem errado.

Eu tenho 40 anos.
I am 40 years old.
 

6. It's ou its?

O cachorro gosta da comida dele.
The dog likes it's food.

Em inglês é muito comum usar a apóstrofe para encurtar alguns verbos. Por exemplo:

TO BE

I am - I'm

He is - He's

We are - We're

TO HAVE

I have - I've

He has - He's

We have - We've

WILL

I will - I'll

He will - He'll

We will - We'll

No caso do verbo "to be" com o pronome "it", temos:

It is - it's

Muita gente acaba confundindo esta construção com o pronome possessivo de "it": its. Observe:

My friend has a dog. It's beautiful! - Meu amigo tem um cachorro. Ele é lindo!

Its hair is black. - O pêlo dele é preto.

COMO DIFERENCIAR?

Depois de "it's" sempre temos um adjetivo ou uma palavra que altera o adjetivo. Afinal de contas, temos um verbo "is" escondido aí, e precisamos do complemento:

It's amazing.

It's very pretty.

Já depois de "its", geralmente temos um substantivo, pois estamos falando de algo de alguém:

Its tail, its hair, its size

Se você não souber pelo contexto qual é qual, o mais fácil é tentar separar o verbo "is" do "it". Se não fizer sentido, então é "its".

O cachorro gosta da comida dele.
The dog likes its food.
 
 

7. O dilema das maiúsculas

Ele mora no norte.
He lives in the north.

O uso de letras maiúsculas no inglês tem algumas particularidades. Especialmente quando estamos falando de pontos cardeais, fica um pouco confuso. 

Usamos letra maiúscula quando estamos falando da região norte, sul, leste ou oeste em geral. Também usamos maiúscula quando o ponto cardeal faz parte do nome do lugar.

He lives in the North.

She lives down South.

They live in North Carolina.

She is from South Korea.

Quando estamos falando da região de algum lugar, não usamos maiúsculas:

He lives in the north of Italy.

He lives in northern Italy.

She lives in the south of France.

She lives in southern France.

Nacionalidades e nomes de línguas são escritas com maiúscula:

I speak English and French.

John is Australian.

Dias da semana, meses e feriados também são escritos com maiúscula:

I hate Mondays.

She was born in December.

They love Christmas.

Estações do ano, porém, são escritas em minúsculas:

She will travel in spring.

He doesn't like winter.

Ele mora no norte.
He lives in the North.

8. Desde quando?

Eu moro aqui há 1 ano.
I have lived here since 1 year.

Os brasileiros têm uma grande dificuldade em usar a palavra "for" para expressar tempo. Observe:

I have lived here for one year now.

I have been living here for one year now.

I have lived here since February. 

I have been living here since February.

No primeiro caso, dizemos há quanto tempo. Expressamos a extensão de tempo. Neste caso, usamos a palavra "for".

No segundo caso, dizemos desde quando. Determinamos um ponto específico no passado. Neste caso, usamos a palavra "since".

Eu moro aqui há 1 ano.
I have lived here for 1 year.
 

9. Plurais temperamentais

Eu escovei meus dentes.
I brushed my teeths.

Você sabia que em inglês nem todo plural tem a letra S no final? Pois é, e acabamos aprendendo a palavra já no plural porque ela geralmente é usada assim. E colocamos um S sem saber que ela já está no plural.

ALGUNS PLURAIS IRREGULARES

Tooth - Teeth (dente/dentes)

Foot - Feet (pé/pés)

Child - Children (criança/crianças ou filho/filhos)

Woman - Women (mulher/mulheres)

Man - Men (homem/homens)

Mouse - Mice (rato/ratos)

Fish - Fish (peixe/peixes)

Crisis - Crises (crise/crises)

Analysis - Analyses (análise/análises)

Die - Dice (dado/dados)

Também temos plurais que mudam outras coisas na palavra, além de levar o S no final:

PALAVRAS QUE TERMINAM EM -F OU -FE MUDAM PARA -VES:

Knife - Knives (faca/facas)

Wife - Wives (esposa/esposas)

Life - Lives (vida/vidas)

Leaf - Leaves (folha/folhas)

PALAVRAS QUE TERMINAM EM -O GERALMENTE VIRAM -OES:

Potato - Potatoes (batata/batatas)

Tomato - Tomatoes (tomate/tomates)

Hero - Heroes (herói/heróis)

Torpedo - Torpedoes (torpedo/torpedos)

Eu escovei meus dentes.
I brushed my teeth.
 

10. Dupla negação - ou não

Ele não disse nada.
He didn't say nothing.

Em português temos a chamada "dupla negação": usamos o "não" seguido da palavra negativa para expressar que algo não aconteceu. Observe:

Ele não disse nada.

Ela não esteve em nenhum país estrangeiro.

Eles não conhecem ninguém aqui.

Aí quando vamos falar estas frases em inglês, acabamos errando:

He didn't say nothing.

She hasn't been to no foreign country.

They don't know nobody here.

Em inglês não existe a dupla negação. Você tem duas opções:

1. Usar a palavra de negação e deixar o verbo sem negação;

2. Usar o verbo com negação sem usar outra palavra de negação na frase.

No primeiro caso, teríamos:

He said nothing.

No segundo caso, teríamos:

He didn't say anything.

As outras frases corretas ficariam assim:

She has been to no foreign country.

OU

She hasn't been to any foreign country.

 

They know nobody here.

OU

They don't know anybody here.

Ele não disse nada.
He didn't say anything.
He said nothing.
 

11. Did já é passado

Ele não foi ontem.
He didn't went yesterday.

Quando se usa o verbo "to do" como auxiliar do simple past para fazer perguntas ou negações, muita gente esquece que o verbo principal não precisa estar no passado, já que o "did" já tem essa função.

He went to the party.

Did he go to the party?

He didn't go to the party.

Quando a frase tiver um "did", lembre-se que o verbo que ele auxilia volta para sua forma infinitiva.

Ele não foi ontem.
He didn't go yesterday.